Conto: Fotografias

25 de julho de 2021 - Regiane Silva

Conto Fotografia

Encantada com o que viu, voltou ao início o álbum de fotografias do pai, para olhá-las novamente.

– Ficaram lindas, pai!

Exclamou ao observar novamente os detalhes tão nítidos do parque cheio de pessoas aproveitando o dia, que o cérebro de Lídia passou a acreditar que ao tocar na foto poderia sentir as texturas do lugar.

– Quase sinto o cheiro da grama e da brisa que joga os cabelos da moça para trás. – Encontrou o olhar feliz do pai após dizer.

– Essa é a intenção.

– Posso usar algumas, no meu blog? – Perguntou lançando aquele sorriso que era capaz de convencê-lo sempre.

– Claro que pode.

Lídia não seguiu a profissão dos pais que eram fotógrafos, escolheu ser escritora, mas amava acompanhar todo o trabalho deles. Sempre, que olhava as fotografias novas, sentia-se inspirada a escrever.

– Uma vez li em uma revista que o trabalho do escritor e do fotógrafo são parecidos. – Comentou distraidamente após retirar mais um álbum da caixa do pai.

– Acredito que sim. – Ele disse voltando a se sentar ao lado da filha assim que buscou o notebook para mostrar as fotos novas que tirou naquela semana. – Trabalhamos de maneiras diferentes, mas o nosso foco é o mesmo. Enquanto você descreve detalhes, emoções, momentos, texturas, cheiros e se atenta a passar o cenário em palavras para alguém, eu as capturo com as lentes de minha câmera.

– O lado bom de ser filha de fotógrafos é que posso roubar os cenários de suas fotos para criar minha história.

– Isso se chama trapacear. – O homem de cabelos grisalhos riu ao ver a filha revirar os olhos.

– Não, se chama otimizar o tempo.

– Espertinha. – Lídia sentiu os dedos da mão direita do pai bagunçarem seus cabelos quando ele fez um cafuné em sua cabeça.

Passar a tarde na casa de seus pais aos domingos era muito especial para ela. Amava ouvir como foi a semana deles e contava sobre a sua.

O momento ficava mais perfeito quando sua mãe trazia chá e bolo de chocolate para acompanhar a deliciosa conversa que teriam. E lá estava ela, a mulher que lhe dera a vida com a bandeja vermelha nas mãos, sorrindo como sempre.

Lídia não podia desejar vida melhor que aquela.

Conto de Regiane Silva

Postagem feita por:

Foto Regiane Silva Regiane Silva

Deixe um comentário para motivar a autora

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *